.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. A relação entre os pais d...

. A mãe que nada faz!

. Pôr o bébé a arrotar

. Um colo vazio . . .

. O papel do papá!

. Dizem os antigos. . .

. Chicco outlet

. Os Primeiros Meses da Gra...

. Planear o Bébé

. (Continuação)... onde pod...

.arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

O papel do papá!

 

Há anos atrás, o papel do homem na gravidez da mulher resumia-se apenas em fazer o bébé e

 tudo o resto era um assunto tabú em redor da esposa.

 

 

 

GRAÇAS A DEUS QUE HOJE EM DIA JÀ NÃO É ASSIM!

 

 

Os nossos papás tentam ser uns senhores á maneira e interessam-se cada vez mais pelo assunto.

Leêm, estudam, participam nas consultas, fazem perguntas e tentam estar ao lado da mamã.

 

Parabéns então pela vossa iniciativa!

 

Para além do óbvio, a gravidez é vivida de modo diferente entre o casal e muitas vezes um inicio de gravidez não é sinónimo de alegria , mas sim um inicio de muitas discussões.

 

As mulheres ficam tristes e não percebem a razão de tal agonia, uma vez que   tinham planeado

a dois esta nova vida.

 

Deixo-vos aqui o meu concelho:

 

Falem bastante e não se sintam acanhados pelos os vossos receios, por mais estúpidos que vos possam parecer.  A verdade é que existe sempre muita ansiedade e muito medo quando se sabe que vem ai um bébé, principalmente quando é o primeiro.

Há imensas dúvidas que nos surgem e o  importante é falarem sem discutir e sem criticar.

Muitas vezes temos a tendência a negligênciar os nossos sentimentos e achamos que estes não tem razão de ser, mas a verdade é que se não houvesse uma razão eles não existiriam!

 

Nós também passamos por isso.

Tinhamos medo de tudo, de como iria correr a gravidez; se o bébé teria alguma doença; se o bebé gostaria de nós; se seriamos capazes de o entender; se seriamos capazes de ser bons pais; de como seria o parto; onde é que iria ser; se o médico iria estar presente; etc...etc...

Sempre falamos muito e acho que foi a nossa sorte, senão tinhamos dado em malucos.

 

E como se não chegassem os nossos medos intimos, havia sempre alguem que tinha má histórias para contar, porque porque incrivel que pareça as pessoas gostam sempre de contar histórias de azar e nuncam contam coisas boas. Eu ouvia e chorava quando estava sózinha.

 

Começamos a perceber o mal que estavamos a fazer ao bebé e a nós também ao ouvirmos estas coisas e começamos a proteger-nos destas conversas.

Sempre que alguem tentava começar, mudavamos imediatamente de assunto ou faziamos entender que não estavamos a gostar da conversa . Quando eram noticias na televisão mudavamos de canal e nas revistas de especialidade passavamos as reportagens de doenças para a frente.

A questão aqui não é ignorarmos as coisas, mas sim afastarmo-nos de situações que nos causam medos e angustias. A verdade é que se alguma coisa tiver que correr mal, infelizmente irá correr e ai teremos todo o tempo do mundo para nos preocuparmos e ler sobre o assunto.

 

A atitude positiva é a melhor arma para proteger o bebé!

 

Voltando ao assunto. . .

 

O papel do pai é muito importante na gravidez.

 

Para além do apoio insubstituivel ao lado da esposa, este contacto faz com que se comecem a criar laços muito intensos com o futuro bebé.

Enquanto as mulheres já tem estes laços fortalecidos pelas hormonas,  pela voz, o mexer do bébé; o papá vai ter que trabalhar nesse sentido.

 

Percebam uma coisa; os papás tem medo e coitados tem razão para o ter. Passam a ter de repente uma mulher diferente em casa, elas choram por tudo e por nada, elas tem enjoos, elas desejam a meio da noite coisas esquisitas para comer, elas estão mais irritáveis, elas começam a ter uma barriga enorme, elas tem toda a atenção do mundo e todas as pessoas falam com elas, e a eles restam-lhes as obrigações de proteger a esposa e a cria, carregar sacos, afastar os medos, participar nas consultas e parto e raramente alguem lhes pergunta como corre a sua gravidez!

 

E isto era muito bom que acontecesse para não se sentirem rejeitados no seu papel de pai, não só durante a gravidez como tanbém depois do bébé nascer.

 

CONTINUA....

 

 

 

tags: ,
publicado por maria às 12:46

link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De pimpolhoacaminho a 21 de Novembro de 2007 às 11:33
Olá!
O facto de o meu marido estar sempre a apoiar-me tem-me ajudado bastante nestes mesitos da nossa gravidez (como ele lhe chama). Tenho a certeza que não conseguiria aguentar muita coisa se não fosse o apoio dele!
Ainda bem que nos dias de hoje o pai é mais activo na gravidez da sua companheira!
Quanto ás más coisas que certas pessoas insistem em contar...também já me aconteceu e algumas deixaram-me mesmo angustiada, mas agora simplesmente desligo. É o melhor a fazer!

Beijos
Sara & Martim
De maria a 29 de Novembro de 2007 às 06:04
Olá Sara!
Obrigada pelo teu comentário e parabéns pela tua gravidez.
Fico feliz por teres um homem 5 estrelas em casa.
É sempre bom quando é assim.
Desejo que vos corra tudo bem e continuem sempre um para o outro.

Beijocas
De lost a 15 de Novembro de 2007 às 14:38
Encontrei o teu blog por acaso e penso que um dia irá ser-me útil. Será que me podes ajudar a convencer o meu marido a ser pai? Estou á espera á 2 anos que ele me dê uma resposta, á pergunta de quando é que queres ser pai? Ele responde-me sempre que não sabe.

Beijocas
De maria a 29 de Novembro de 2007 às 06:01
Olá!
Em primeiro lugar quero agradecer a tua visita e em segundo pedir desculpa pelo tempo de resposta, pois há algum tempo que não visitava o blog.
Relativamente á questão que me colocas é um assunto muito delicado, uma vez que passa pela sistémica de vós enquanto casal.
Na minha opinião acho que um bébé deve ser sempre desejado e planeado pelos dois; e não deve ser trazido a este mundo para resolver problemas que o casal já tenha, para dizer a verdade até acho que os piora.
A questão é que nem sempre nos sentimos preparados para tomar essa decisão, principalmente para a maioria dos homens que acham que a sua juventude vai desaparecer para outro ser e que não se sentem preparados para a responsabilidade de ter um filho. Infelizmente para eles, quer queiram quer não, a sua juventude irá desaparecer mesmo sem bébé e as responsabilidades da vida continuarão . Se vão estar há espera de se sentirem preparados então desistam da ideia de ter um bébé pois nunca se está preparado para tal. Há que arriscar e acho que nos cabe a nós mulheres tomar essa decisão.
Pelo que me parece do teu comentário é que o teu marido está nesta situação. Não te dá o tão desejado sim, mas também não te diz que não, e tu estás infeliz.
Tenta ter uma conversa séria, explica-lhe os teus motivos e tenta que ele fale dos dele, porque atrás do não sei que ele te dá, está um medo qualquer. O não sei não é uma resposta. Podes sempre tomar uma atitude mais directa. Explica-lhe que queres muito ter esse filho e que está na hora de o terem, marca uma consulta pré-natal ,informa-te e se decidires deixar de tomar a pilula ou outro contraceptivo informa-o de tal, não engravides ás escondidas. A verdade é que vais acabar por exercer uma determinada pressão nesse sentido,mas parece ser o que lhe falta para te dar uma resposta definitiva, ou sim ou não.
Um bébé muda tudo é verdade, e também é verdade que a vossa vida nunca mais vai ser igual, mas a parte do nunca mais não tem de ser forçosamente um nunca mais negativo. Ter filhos é muito bom, nós perdemos tempo de qualidade,mas a recompensa de os ver a crescer felizes e as pequenas grandes mostras de amor que nos dão são o bastante para nós.
Ter filhos é uma nova etapa da vida e tal como todas as etapas importantes trás medos e receios que nos levam muitas vezes a hesitar ,mas triste daquele que não evolui na sua vida por medo. Eventualmente o medo acabará por torna-lo mais fraco e mais susceptivel aos factos da vida. Ter filhos torna-nos mais ricos em sabedoria e crescemos no nosso estatudo de individuo enquanto seres humanos que somos.

Fica bem e conversa muito

Comentar post