.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. A relação entre os pais d...

. A mãe que nada faz!

. Pôr o bébé a arrotar

. Um colo vazio . . .

. O papel do papá!

. Dizem os antigos. . .

. Chicco outlet

. Os Primeiros Meses da Gra...

. Planear o Bébé

. (Continuação)... onde pod...

.arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

A relação entre os pais depois do bébé nascer

        Não quero com este post deixar as futuras mamãs e papás cheios de receio, também não quero que tenham medo pois para tudo existe sempre uma excepção á regra e uma solução; a única coisa que pretendo ao escrever estas linhas é colocar-vos ao corrente de uma situação que acontece entre muitas paredes, mas que por vergonha ou para manter as aparencias ninguem fala!  É claro que  quando nos acontece a nós ficamos completamente apanhados de surpresa e a pensar: " O que se passa aqui"!

 

Quando pensamos em ter um filho, fazemos imensos planos com o nosso companheiro. Imaginamos e idealizamos determinadas situações e como vamos proceder. Analisamos cada promenor em redor cheios de amor e expectativa e esquecemo-nos completamente de olhar para o mais importante: Olhar para nós enquanto casal e para a nossa relação!

 

O que a seguir descrevo foi o que se passou connosco:

 

 

Fizémos imensos planos durante a gravidez e tentámos antever tudo para que nada nos falhasse! ( Riu-me agora desta situação pois estavamos completamente á margem de como as coisas são! Marinheiros de primeira viagem!)

 

Depois o bébé nasceu e foi ele que começou a mandar em nós e não nós nele como tinhamos especulado!

Sem muita prática e com muita coisa ao mesmo tempo andavamos feitos num trapo, mas muito muito entusiasmados e orgulhosos do ser que nasceu de dentro de nós.

Aproveitou-se a boa maré e o meu marido pediu-me em casamento e começou-se a pensar a sério no assunto!

 

 Quero aqui fazer um à parte para dizer que todos nós tentamos idealizar as coisas porque isso nos dá alguma segurança no meio de toda a incerteza que surge num casal quando se passa por uma gravidez, mas o facto de depois surgir imensa coisa inesperada é muito bom, pois aprendemos a ser pais e é muito gratificante, não tenham medo pois todos conseguimos ser pais!

 

Quando o bébé atingiu mais ou menos dois meses e meio, estavamos finalmente a começar a entrar na rotina e grande parte do entusiasmo inicial foi-se desvanecendo! Claro que não os deixamos de amar, pelo contrario, o amor pelos filhos cresce a cada dia que passa, o entusiasmo e a agitação do inicio é que vão passando com o entrar na rotina!

 

O pai ia e vinha para o trabalho, ao chegar a casa gostava de ter a sua vida como era antes de o bébé nascer, ver tv e estar descansado.

Eu por outro lado passava o dia inteiro com o bébé e a arrumar a casa para ter tudo em ordem;  para que quando o pai chegasse não tivesse muito trabalho á sua espera. Contudo estava esgotada e olhava que o meu marido me descansasse um pouco do bébé.    Isso não acontecia ; ele ajudava-me com as tarefas domésticas ao fim do dia e fins de semana ,mas com o bébé não!  O que me irritava mais era o facto dele parecer não ver todo o meu cansaço e dignar-se a perguntar simplesmente se era preciso algo!

 

Comecei a achar que aquilo era uma injustiça tremenda, eu tinha imensa atenção para com ele e achava que ele não tinha consideração nenhuma por aquilo que eu fazia.

Houve realmente um tempo que nada lhe parecia agradar e que eu achava que ele só era simpatico para mim quando queria algo mais...

 

O meu marido , como nós não falavamos sobre isso, viu-me perder todo o interesse nele e a passar estar centrada no bébé 24 horas. É claro que começámos a discutir bastantes vezes e a nossa relação começou a piorar ao ponto de falarmos constantemente em separarmo-nos!

Eu sentia-me pessimamente pois achava que talvez estivesse a exigir algo que não devia e estava bastante triste pois não conhecia ninguem assim. Pensava que o mal era só nosso e que era má esposa! Realmente ,via todas as mulheres, mães, aparentemente felizes e tão" leves" e eu estava muito infeliz e sentia-me incompreendida!

 

Entretanto marcou-se o casamento e começamos as reuniões de preparação para o casamento na igreja. Na nossa paróquia são durante três sábados e fala-se de determinados aspectos da vida em comum e onde existem casais que falam da sua experiencia!

Logo na primeira sessão fez-se luz! O primeiro casal que falou relatou a sua vida depois do nascimento dos seus filhos e nós ouvimos a sua experiencia ser tal qual a nossa!

Esse momento e testemunho foram muito importantes para mim. Percebi que afinal existe um mundo paralelo aos sorrisos que as pessoas deixam transparecer na rua. Afinal nem tudo é um mar de rosas e os casais sofrem bastante com toda esta situação.

 

Foi por esse testemunho ser  tão bem vindo numa altura que estava tudo a correr mal, que deixo aqui também o meu testemunho na esperança de poder mostrar a alguem que não são os unicos a passar por esta situação tão comum e ao mesmo tempo tão abafada!

 

Casámos entretanto, e claro somos um casal normal, com muitos altos e muitos baixos.

Tivemos entretanto outro bebé e continuamos a limar muitas arestas, como acho que é normal em todos os casais.

 

Penso que o importante é não se desistir da pessoa que se ama! E tentar por todos os meios não deixar a casa vir abaixo!

Se é falta de planificação, ou se é o não estar pronto para ser pai ainda não sei responder porque também ainda não percebi porque correu assim. Talvez tenha mais a ver com o estar-se habituado á nossa independencia e ao abandono da nossa meninice. A chegada de um filho obriga-nos a crescer e há quem não esteja preparado para ser adulto!

 

No nosso caso a única coisa que me apanhou completamente desprevenida foi mesmo a modificação da nossa relação.

 

Hoje em dia ao falar com outros casais apercebi-me que praticamente todos passam por isto!

 

Os conselhos que vos deixo são os seguintes:

 

- definam muito bem as tarefas que cada um fará após o bébé nascer, isso é muito importante,

 

- se passam por esta situação actualmente, falem um com o outro e exponham as vossas teorias,

 

- vejam onde podem mudar,

 

- ás mamãs, não desesperem e não esperem que os vossos maridos se apercebam e perguntem o que precisam, tomem vocês a iniciativa e peçam-lhes

 

-aos papás, por favor não tenham medo da vossa mulher. Não é o lobo mau, é apenas uma pessoa completamente estoirada e a precisar de um pouco de espaço para ela.

E não , não deixamos de gostar de vós, e não nos deixam de excitar; simplesmente se não nos ajudam é obvio que ficam para segundo lugar. Isto não é um castigo por não ajudarem, é a vida;  vocês teem autonomia e o bébé não; vocês teem energia e nós não. As vossas coisas ficam para segundo lugar  e os deveres conjugais para quando calha. 

È de bom tom uma vez por outra serem vocês a tratar do bébé e a arrumar a casa. Ficam todos a ganhar!

Se funcionarem em equipa não se desgastam tanto e podem estar mais tempos juntos

 

Desabafem com os vossos amigos que já passaram por isso, ou então procurem ajuda!

 

Lembrem-se que o vosso filho não é o culpado e não ponham as culpas em cima de um ser que mal sabe que existe.

 

 

Centrem-se em vós, no porquê e no como mudar!

 

 

 

 

 

 

 

publicado por maria às 11:35

link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De carla a 26 de Janeiro de 2012 às 14:11
Yap,tambem axu!! E dizer k nux mulherx dvmux ser td paxientes!filho tax felicidadn pa o casal
De Marta a 5 de Dezembro de 2009 às 12:37
Ola! Andava aqui a passarinhar na net e vi este teu post... quero dizer que tambem me identifico muito com o que aqui escreveste, engravidei em Fevereiro de 2008, a minha relacao de 6 anos era espectacular e ele sempre me apoiou incondicionalmente durante a minha vida, e a minha gravidez! Era uma rainha! Depois a minha bébé nasceu, e no 1º mes era tudo fantastico, nao dormiamos mas nao fazia mal, ele queria ajudar em tudo, a dar banho, a vestir, a mudar as fraldas... e qd iamos sair, ate "discutiamos" para ver quem levava o carrinho dela ehheheheh... Mas depois desse mes, a novidade tinha passado, ele deixou de me ajudar, só keria estar no pc e na playstation, ou a ver TV... e qd me queixava, ele ainda me dizia que eu estava todo o dia em casa, enquanto ele ia trabalhar... começaram a surgir as discussoes, atras de discussoes... e quando a minha mais que tudo tinha 3 meses e meio... ele saiu de casa para voltar a morar com os pais... ate hoje. Agr, a minha bébé tem 13 meses... Nós Mulheres estamos sempre preparadas para ser mães, enquanto estamos gravidas muitas duvidas isolam a nossa cabeça, mas depois tudo passa... eles ja não... Ha muitos Homens que continuam eternas crianças e com medo de crescer...
De maria a 22 de Dezembro de 2009 às 09:42
Olá Marta!
Lamento imenso que tivesses de passar por essa situação! Deve ser extremamente desagradavel passar por isso. No entanto quero dar-te os parabéns pois imagino o quanto deve ser dificil criar um filho sózinha. Alguns dias devem ser bastante complicados, no entanto aprendes a não depender de ninguem, és tu a fazeres tudo acabas por não ficar desiludida á espera que alguem veja o teu esforço.
Desejo que o proximo ano te traga tudo de bom e muita saude e paz!
Boas Festas

Bem Haja
De lost a 2 de Dezembro de 2009 às 12:06
Desculpa o anterior.
Obrigado por partilhares a tua história connosco.
Em relação aos medos eu espero á 5 anos que o meu marido se decida a ser pai. O meu relógio biológico chama por mim há muito tempo, mas o dele ainda não despertou. Nem me sabe dizer quando é que vai sentir vontade de ser pai. Eu começo a entrar em desespero, tenho medo muito medo, tenho 32 anos e sinto o tempo a fugir-me. Amo-o muito e não quero ficar sem ele, mas esta ansiedade, esta espera tá a dar cabo de mim.... Ajuda-me
De maria a 2 de Dezembro de 2009 às 12:37
Oi boa tarde!

Ainda não se decidiu né?! . . .
Vai haver uma altura em que vão ter de falar nisso a sério, quer ele queira ou não e tu vais ter de te decidir.
Há tanta coisa que pode acontecer. Conheço algumas pessoas na mesma situação. A pior penso eu é de um casal que ela espera até hoje e já se passaram 18 anos. Está muito arrependida por não ter filhos e magoada. Não quis fazer ás escondidas, o que percebo, pois normalmente é uma decisão tomada a dois, mas ás vezes é preciso . . .
Tens de pensar mesmo a sério na questão e pensares o que é mais importante para ti a longo prazo. Ele ou um filho! O idea será os dois , mas não sendo possivel . . . a meu ver há que arriscar.
Problemas existem sempre, se tens lido o meu blog sabes do que falo, seja o bebe planeado ou não.
Beijos
De lost a 2 de Dezembro de 2009 às 12:02
yyyyyy

Comentar post